Arquivo de Tag | presença

Quero sonhar…

Quero sonhar…

com o toque de tuas mãos por minha seda pele

arrepiada pelo êxtase de tua presença.

Quero sonhar…

com o passeio de teus lábios pelos vãos de meu ser

até que qual rio de delírios

desague beijos ao encontro dos meus.

Quero sonhar…

com teus olhos que trazem calma

e que com doçura afagam minha alma

enquanto me dizem em silêncio o que eu sempre soube.

Quero sonhar…

que me aqueces com teus braços

e que perdida em teu abraço possa sentir o calor

de quem minha alma tem esperado.

Quero sonhar…

com tua voz em meus ouvidos sussurrando teus gemidos,

melodiosa poesia declamada em forma de paixão.

Quero sonhar…

que estás aqui tão perto,

que inundou o meu deserto com tua presença,

oásis onde descanso o meu querer.

Quero sonhar…

pois quando lhe tiro de meus sonhos,

te faço real, mesmo à distância, mesmo na ânsia de por ti viver.

Quero sonhar…

porque em meus sonhos não há limites para te amar.

*

Enluarada

*

Meus sonhos são apenas lembranças do que ainda não aconteceu…mas que está dentro de mim.

Lembranças ao vento.

Folhas balançam ao vento e quando me dou conta você está aqui vivo em meu pensamento. Fico observando as árvores, o vento sussurrando entre as folhas que chacoalham como se estivessem rindo com cócegas, ou coisa assim.

Eu me pego perdida em pensamentos, em como tua presença radiante iluminaria minha vida, em como seria provar o gosto de teus lábios – esses que tanto desejo encostados nos meus – como seria refletir-me no espelho de teus olhos, prender-me nesse mel do teu doce e profundo olhar.

Respiraria o ar ao teu redor, sentindo teu cheiro penetrar em minha alma, provaria do néctar dos teus carinhos, me entregaria a plena calma, mesmo ofegando intensa ao desejar o teu amor. Mas estou aqui, apenas sonhando com tudo isso que se passa como um filme em minha mente, enquanto as folhas dessas árvores dançam, enquanto algumas aves nelas brincam.

O vento parou. As folhas fizeram silêncio. Parece até que resolveram prestar atenção em mim, no momento em que uma lágrima fugiu…Como se me olhassem e quisessem saber o porque.

Dessa lágrima, eu também não pude definir a razão, porque não me sinto triste. Simplesmente sinto falta das palavras de quem me faz imensamente feliz como ninguém jamais fez. Não há tristeza, porque esse amor existe em mim com uma intensidade majestosa, porém não se basta se existir apenas aqui dentro. Talvez, seja por isso a lágrima. Porque ainda me sinto metade.

Às vezes a solidão me invade como esse vento que invade as folhas das árvores, por isso em vez de sorrir, choro. Porque ainda me falta a mais bela e complementadora certeza, a mais reconfortante verdade – esse amor que me prende fiel aos meus sentimentos, que dentro de mim já é.

Ei! As folhas voltaram a gargalhar. Vou continuar aqui nessa tarde suavemente ensolarada, assistindo o espetáculo da paisagem e lembrando de você. Quem sabe esse vento que brinca com as folhas me ouça e resolva fazer viagem, levando minha lembrança ao teu pensamento, meus beijos ao teu encontro, meu acalentar ao teu coração, deixando um pouquinho de mim em ti. Apenas  para recordar-te de que se  ainda  me restam sorrisos,  é por causa tua.

*

Enluarada

*

Finalmente veio um pássaro voando,

Pela primeira vez fora do ninho

Você é a canção das suas asas

Você é a melodia que ele canta

Eu literalmente apreciava a paisagem, ao som de Nikka Costa – Midnight – que tocava em meu mp3…Então, decidi deixar aqui essa melodia.

Mosaico de palavras.

Estou sozinha, em meu quarto escuro,

olhos fechados, buscando consolo em lembranças,

perdida em pensamentos e planos.

Tanta coisa eu poderia e gostaria de dizer,

mas as palavras se desfazem quando tento.

Então as juntei mesmo desfeitas e moldei-as,

ansiando fazer arte com palavras despedaçadas,

quem sabe elas ainda me sirvam, e te toquem.

E foi pelo meio dos cacos de letras e sílabas tortas,

que encontrei as rimas certas e o tom das linhas,

dissolvidos em tudo o que eu desejaria expressar.

E nessa penumbra, buscando e encontrando meu eu,

que insiste em explodir em desejos e devaneios,

sua face surge desenhada entre meus versos mosaicos

e por não querer perdê-la de vista,

afogo e escondo meus sentimentos controversos.

Não quero respostas, apenas desejo que saibas,

não busco nada que vá além do que sinto.

Quero ser passagem enquanto posso ser lida,

se um dia puder ser presença, serei.

Mas dia após dia, algo me corrói por dentro,

é essa imensa necessidade de querer te fazer sorrir,

essa ansiedade por querer te ver feliz,

essa verdade de querer saber que é assim.

Arrisco viver de palavras moldadas por minha alma,

mas meu coração quer mais.

Quer luta e vitória, não a realidade transitória.

Quer te declamar ao ouvido, e sentir tua face,

não apenas ser lido ou imaginar-te.

E nessas horas em que divago, em meus olhos,

que aos poucos se abrem, reluz a vontade,

essa que sempre me invade, de ser tua por inteira,

completando minha arte escrita,

com a maior arte da vida, a eterna arte de amar…

*

Enluarada

*

Ao som de Palavras ao vento – na voz de Cássia Eller.

“Ando por aí querendo te encontrar
Em cada esquina paro em cada olhar
Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar”