Arquivo de Tag | Poesia

Quero sonhar…

Quero sonhar…

com o toque de tuas mãos por minha seda pele

arrepiada pelo êxtase de tua presença.

Quero sonhar…

com o passeio de teus lábios pelos vãos de meu ser

até que qual rio de delírios

desague beijos ao encontro dos meus.

Quero sonhar…

com teus olhos que trazem calma

e que com doçura afagam minha alma

enquanto me dizem em silêncio o que eu sempre soube.

Quero sonhar…

que me aqueces com teus braços

e que perdida em teu abraço possa sentir o calor

de quem minha alma tem esperado.

Quero sonhar…

com tua voz em meus ouvidos sussurrando teus gemidos,

melodiosa poesia declamada em forma de paixão.

Quero sonhar…

que estás aqui tão perto,

que inundou o meu deserto com tua presença,

oásis onde descanso o meu querer.

Quero sonhar…

pois quando lhe tiro de meus sonhos,

te faço real, mesmo à distância, mesmo na ânsia de por ti viver.

Quero sonhar…

porque em meus sonhos não há limites para te amar.

*

Enluarada

*

Meus sonhos são apenas lembranças do que ainda não aconteceu…mas que está dentro de mim.

Anúncios

Poema para o Sol.

Tanta coisa se passa em meu interior, tanta tempestade, tantos sentimentos conturbados, mas no fim, quando paro e penso, quando meus olhos estiam, quando olho  dentro do meu coração, apenas escuto a minha canção…ela ainda não está pronta, ela ainda é apenas poesia. Mas talvez ela nunca fique totalmente pronta, porque essa poesia que habita em mim flui infinita. São letras doces acompanhadas de melodia calma. E é tanta coisa que sinto ao tentar lembrar, tanta coisa… Queria ser um passarinho e poder voar, e talvez em um ninho me aconchegar nos momentos de frio, queria ser uma flor, queria ser a alegria e despertar sorrisos, queria ser  motivação e  força, queria ver que o brilho nos olhos da felicidade. Queria ser a primeira imagem no amanhecer, ou então poder ver os olhos de quem amo se fecharem em sono tranqüilo, por causa da calma no coração.  Aqui dentro de mim eu queria ser tanta coisa, mas posso apenas ser palavras. Ainda bem, porque  as palavras podem  me transformar em qualquer coisa. E assim, escrevendo, me transformo em beijos, me converto em frases  e nem o infinito pode vencer o poder dos versos em mim. Minhas rimas são minhas mãos segurando 0 horizonte, e conseguem até sentir o calor do toque. Sou lua e meu poema é para o

Sol…

Tua fonte de luz habita

Os desejos do meu coração

Em beijos raiados

E carinhos escritos

És o astro que aquece

És a ausência que me preenche

És a saudade que me conforta

Tenho flores nas mãos

E néctar nos lábios

E o medo fugiu de mim

Sinta, apenas estou aqui

E ante a tudo que vi e vivi

Descobrindo inspirações

A poesia em mim continua

Sempre minha, sempre tua

e continua…

*

Enluarada

*

“Espero que você não se importe que eu exprima em palavras, quão maravilhosa é a vida enquanto você está em meu mundo…” (Your song – Elton John)

Luz e emoção

lem

Quando na inércia de uma essência desprezada, amontoada em um canto qualquer,
Um sentimento afluiu, ebuliu quase do nada, sem espera surgiu,
Não dormia na esperança de poder sonhar mais estando acordada.
Estava apagada quando sentiu na pele a luz, se iluminou – tornou-se enluarada.
Apenas uma esfera de cristais, linda, intensa, esperando refletir,
Contradizendo tempo, distância e sanidade, e o que fosse possibilidade.
A chama acesa dentro de si surgiu espalhando o desejo,
Encanto inesperado, mas fortemente bem vindo.
Fecha os olhos a lua pequena, sonha com um momento no tempo.
Abra os olhos gota de luz, faz-se possuir pelo amor que a seduz.
Pele suave, toque leve, alma de romance, nuance de delírios.
Queima em seu peito feroz e fulgurante o desejo do toque de quem está distante.
Se farta feliz de devaneios floreados,
Seu corpo afobado – se contradiz com a paciência de seu espírito.
Quer saciar-se como sedenta em meio ao calor,
Molha os lábios em beijos imaginados, mergulha num lago inventado.
Tem junto a si em pensamento o fim da distância, tormento,
É abraçada, deflagrada, sente-se tomada, aos goles fartando-o.
Prova do néctar surgindo de seus poros,
Olhares fixos,  juntos, respiração ofegando, abismo de prazer.
Era dela e dele a espera, o desejo a flor da pele, o encontro absoluto.
Mãos correm soltas em seus corpos de luz e calor,
Seguram, abraçam, apertam, afagam, acariciam e possuem-se
Lábios já são apenas um,
Unindo-se, mordendo-se, deslizando-se, saboreando como jamais.
Sente dentro de si aquele que foi alvo de sua paixão,
Enamora-se com o delírio de ser possuída, chora, grita, recita.
Afunda-se sem desejo de ressurgir, apenas lhe quer,
Lua que brilha, alma de mulher.
Era brasa apagada, por causa dele tornou-se chama incandescente.
Ela é mais do que sensações, traspassando as emoções,
Em seus olhos brilha legível, a luz da inspiração ressuscitada,
E ao se entregar a esse sonho iluminado, respira o ar de seu amado.
Tornando a sonhar acordada,
Sentindo no ar a claridade trazida pelo constante e distante sentimento,
Volta apenas a reluzir e em seus versos transcrever,
E em infinita espera, torna mais que uma quimera esse amor que se fez nascer.

*

Enluarada

*

Som e melodia em forma de poesia: Fênix, de Jorge Vercilo; Extreme – More Than Words.