Arquivo de Tag | fogo

Matemática das almas.

praia_solO vento que sopra em minha direção desfaz segredos poéticos e trava deliciosas lutas interiores, em busca de conceder tranquilidade a meu ser recôndito.
Eu não sei o que sinto, se ainda sinto desde então…ou se sempre senti, desde quando meu mundo passou a orbitar um desejo jamais permitido.
É como se duas almas estivessem em um outro plano, um plano paralelo onde a matemática é exata, as somas corretas, sem restos, nem frestas.
É como se eu amanhecesse para sempre e esse amanhecer fosse a eternidade disfarçada de alegria, onde essas almas dançassem sem querer, dando voltas no infinito do amor.
O que sinto é uma ilusão do que não está aqui, mas deve existir em outro lugar, não é possível. É muito forte, é como um norte e uma bússola de tanto que é existente e coerente.
É um universo tangente a esse, e bem perto, onde há praia e mar, uma fogueira e uma conversa amiga. Há um riso e há liberdade floreada, chamuscando com as labaredas, a felicidade borboleteando nos sorrisos que se esvaem quando os olhares se cruzam, se atraem, se puxam e se querem.
Há o beijo roubado e devolvido e há o que nem faça sentido, pois lá onde o amor verdadeiro existe e onde a matemática das almas é exata, o sentir é permitido. Não há posse. Nem minha alma é minha, nem tua alma é tua. Apenas eu cuido e você cuida, sem pressa, sem promessas. A calma preenche o coração e a paz é a mais sublime canção.
Há um lugar, um lar, muito além daqui, acredito, onde tem um leito macio com colchas de seda e almofadas fofas, e se deitar é uma viagem. Sonhar é paisagem, e sempre de passagem, meu lugar nunca é aqui ou ali.  Meu lugar é em um coração que só existiu em meus devaneios e vontades.
Meu lugar é em pensamentos e em letras, onde a satisfação da alma se encontra por acreditar que de alguma forma tudo isso existiu ou existirá. Meu lar errante, meu mundo distante e a calma da alma.

Por Simone Santos – pensamentos de Enluarada.

 

Leitura íntima.

dddd

O fogo dança na lareira, lento, quase ao ritmo da canção que toca. É inevitável, o calor que emana me faz sentir tua presença me invadindo e a vontade de ti já não pode mais ser contida. Meu olhar, sob o efeito das cores que o flamejar das labaredas mesclam aos contornos de teu corpo, fita o que em sonhos eternizados almejei dia após dia.

Minhas mãos, aquecidas pelas chamas intensas de meu amor se perdem, cativas na vontade de deslizarem por cada centímetro teu. Com elas, faço a leitura mais perfeita dos contornos mais recônditos de teu corpo delirante. Leio teus olhos fechados com as pontas de meus dedos que intensos percorrem tua face, alcançam teus lábios. Leio teu desejo em tua superfície eriçada em arrepios, meu tato provocando calafrios, desvendando o percurso que me guia a teu prazer.

Leio quando te encantas, quando sentes, quando vibras e guiada por teus sentidos atiçados, o deslizar de mim por ti funde-nos em uma mistura de carícias e fome, anseios e sede, saciados nessa troca de contato. Meu tato te lê ávido ao tocar-te cada vez mais intimamente e muito mais profundamente despertar em sensações essa atmosfera viva e intensa.

Toques que se transformam em abraços, braços que se percorrem, corpos que se procuram, lábios que se misturam. Bocas que se encontram, que se perdem de si em busca de mais  e retornam na saudade do beijar. E teu olhar…me reflete em sentimentos, em reprise do momento, momento indefinível, abstrato – esse do amar – do queimar sem doer, do consumir-se sem perder.

Ao dominar-me nesse leito de paixão,ao tomar-me por inteira e adentrar-se em mim, faz-me conhecer as sensações mais absurdamente intensas, insanas. E na leitura que fazemos de nossos desejos, extinguimos qualquer mistério, unimos nossos hemisférios, exalamos êxtase, explodimos em emoções. Eu e você, sentindo-nos, lendo-nos, no mais extremo sensitivo literário dos amantes.

*

 

Enluarada

 

*

Meu corpo te pede, minha alma te chama de tal forma que se faz em mim o anseio de que abras as portas dos meus sentimentos e entre  no recinto de meu ser, penetrando intensamente em minha vida e fazendo-me viver o mais ardente  de todos os amores…

 

Ao som de Ronan Keating – When you say nothing at all

Proximidade distante

Amor exala por cada célula, cada fagulha de energia viaja, vibra, paira e encontra o destino: o fôlego, o respirar, o bater de um coração.

Sozinha, sonhos e devaneios transformam-me .

A fixação bate à porta , atendo só para encontrar sua imagem dentro de meus pensamentos.

Ao som de uma doce melodia, seu perfume apenas em minha memória, tem cheiro, tem gosto, quase posso tocar sua presença, apenas quase…quase sinto seus lábios e o som de sua voz ao dizer meu nome entre pedidos, poemas e perdições.

Infinito, urge o sentimento abarrotado em meu peito, qual incêndio incontrolável, inevitável, insondável.

Sentimento emergente, clareando a face de minha alma, tal qual nascer do sol abrasador, avassalador – seus olhos em mim queimam, inspiram, acendem…

A forma de amar mais abstrata e absurda, transcendeu , tangeu cada linha de meu ser. Seguirá intenso, emanando até o destino reconhecer.

Sofrido, exilado esse amor em mim encontrado é mapa no labirinto infinito da vida, trancado, marcado e tatuado em mim.

Entender? Desnecessário. Impossível decifrar a presença que inexiste, mas que percorre intensamente meu ser levando à vibração, interiorização, euforia.

Queima, arde, e dói docemente, saudade inerente, espera constante, te querer se tornou um vício, maravilhoso desespero, incansável busca.

Pensamentos, incertezas, inseguranças, longe de ti surgem. Seu sorriso minha calmaria, sua presença meu refúgio, meu desejo, querer, realizar, viver.

Não há disfarce, nem segredo em minha alma.

A porta se abre me permitindo entrar nessa reviravolta que é te amar assim pelo vento, pelo avesso, nessa distante proximidade -como posso sentir-te tão perto, tão em mim?

Marco os rumos dessa história te encontrando dentro de mim, apenas dentro de mim, por meio de palavras escritas, faladas, recitadas, mas em meus sonhos, são palavras beijadas, apaixonadas, palavras vivas.

E enquanto passo dias sem lhe ver, sem lhe ter, sem saber, corro louca contra o tempo, quase destruo relógios, que gotejam segundos, gota a gota, um a um, pouco a pouco. Silêncio.

A doce melodia ainda toca e encontra sua presença além de mim, e seu toque imaginado me acende e me joga em um emaranhado de sentir, despertando meus sentidos em cada centímetro de meu ser que vive prestes a por você se perder.

Profundo, pela mão do amor guiado, sentimento espalhado, por lençóis feitos de estrelas, estrelas que vejo, que vês, que clareiam a esperança, reluzem o acontecer.

Quando há de ser?

Nesse gosto, nesse cheiro, que me remete ao seu encontro, meu coração viaja inteiro, querendo acalmar-se, querendo entregar-se.

E em ti, encontra-se, revive.

Enquanto nessas juras e rimas, no tempo em que nossas vidas se cruzaram, vou sentindo apenas, quase, sua presença, que ainda paira atrás da porta de meus pensamentos aficionados e perdidos por ti, apenas por ti.

*****

Enluarada

*****

“Longe de ti, tudo parou…vem me fazer feliz porque eu te amo, você desagua em mim e eu oceano, me  esqueço que amar é quase uma dor. Só sei viver se for por você.”Djavan.