Arquivo de Tag | feliz

Por toda a minha vida.

“Eu sei que vou te amar… por toda a minha vida eu vou te amar…”

Sabe aquele amor que nasce dentro do peito da gente, avassalador, daqueles que quando narramos faz as pessoas desconfiarem se é mesmo amor? Alguns acham que é alegria demais para ser algo tão sólido. Mas o amor não é tão óbvio. Aliás, ele pega a gente tão de surpresa que muitas vezes de óbvio e previsível não tem nada. Mas dá uma felicidade danada!

É musica que te lembra, é vento que te venta em mim, são letras que te escrevem bem diante de meus olhos e quando te leio vejo que tudo já virou um borrão matado pelas lágrimas que fluíram de meu coração que insiste em te querer tanto. É a luz que me ilumina ainda que em meu caminho tenha sombras, e o perfume dos cravos que colhi dias atrás que me fizeram imaginar teu cheiro. É…

“Eu sei que vou te amar…”

Pelos versos e reversos do que eu chamo de arte, pelos cantos e encantos e por mim em toda a parte, pelos sorrisos que me traz esse sentimento insistente e forte, pelo tempo que deixa minha vida à sorte, pelo sul e pelo norte.

“Desesperadamente eu sei que vou te amar”…

Nos dias em que o desejo se torna perene e teu nome ecoa audível no meu quarto, nos momentos em que lembro da tua voz, que beijo o teu retrato. Até que meu toque em tua pele se torne possível, e que meu navegar em teu olhar faça-me desfalecer extasiada ante a ti. E há de ser, tanto amor não pode no infinito se perder.

“E cada verso meu será…”

“Pra te dizer que eu sei que vou te amar.” Porque construístes em mim poesia. Reavivaste alegria, euforia e flores, em meus quadros da vida há cores e não há o que me faça cansar de pensar em rimas com te quero, te amo, preciso-te. Até meu respirar me faz te lembrar. Intenso é, me faz feliz, deixou raiz e não tenho previsão de me esquecer. Enquanto eu amar irei viver. E enquanto viver, de um jeito ou de outro, amar- te hei…

“Por toda a minha vida”

*

Enluarada

*

“Ei, não te contaram que não há limites para o amor? Nem tempo, nem espaço, nem presença, nem constância. O amor de tão perfeito é ilógico. Porque eu amo da forma mais louca e ainda assim, nunca me senti tão sã.”

Texto mesclado com trechos da linda música de Vinícius de Moraes – “Eu sei que vou te amar”  – também postado em minha coluna “Chuva de poesia” no site www.sandracajado.com.br

Anúncios

Diário de uma flor.

Setembro

Tão pequena me sinto, e sufocada. Há terra em mim e o peso é grande. Um aperto no peito e sinto como se eu fosse explodir. Porém o meu desejo era que a terra se abrisse. Está frio, escuro e quase vazio. Vou fechar meus olhos…

Outubro

Ei, o que está havendo? Apesar do que sofri, sinto meus braços mais livres embora o peso ainda exista. Sinto um leve calor que vem não sei de onde, não sei a origem. Vou colocar minha raiz aqui. Sinto sede, a de amor. Ei, você que me deu água, agradecida. Quem é você que me aqueceu? Valeu! Estranho, mas agora posso respirar, é como se a minha redoma tivesse sido removida. Até que enfim senti a vida! Fantástico poder me mostrar. Vou subir à superfície e olhar!

Novembro

Uau, quanta luz! Quem é você assim tão brilhante e quente? Me fez crescer interiormente e agora minhas palavras desabrocham nessa troca de luz e calor. Faz assim, te dou o meu amor! Eu fico aqui, estou plantada, tenho raiz, mas sou livre enfim! Adoro essa tua luz em mim!

Dezembro

Impressionante como estão me admirando, como dizem que sou linda e ainda sou um botão. Deve ser meu coração, ele está tão preenchido que me dá viçosidade. É uma sensação tão única, penso até não ser verdade. Mesmo ainda tão fechada posso ouvir o som da distância. Logo quero me abrir, mas devo ter paciência…

Janeiro

Nublou! Cadê a luz? A água perece que secou. Só um pouco mais de amor…Ei nuvem, sai da frente, eu quero olhar! Não, não precisa estiar, afinal de rega eu vou precisar. Mas eu queria olhar.

Fevereiro

Parei pra respirar fundo, sentes? Há um perfume saindo de mim. Estão me chamando de jasmim e sorrindo vejo a luz e ainda sinto o calor. Viu o meu desabrochar? Conseqüência desse amar. É lindo poder alegrar, os corações tocar e percebi aqui dentro um sentimento forte se espalhar. Sinta meu cheiro, olha a minha cor! Enfim sou tua flor! Colha-me, por favor?

Março

Hum, pétalas. Uma caiu de mim. Ainda estou aqui, não compreendo. Juro que queria ir. Mas tudo bem, ainda assim apenas sentir a luz é bom. Oh, outra pétala caiu…isso dói aqui dentro, essa solidão. Eu só queria ouvir uma canção. Canta para mim?

Abril

Olho no chão ao meu redor e me vejo inteira ali. Não – não me vejo inteira, vejo os meus pedaços. Minhas pétalas…me sinto estranha, mas alguém me disse que havia de ser assim. Depois da deprimência antes do renascer, senti o calor a vida e a beleza, descobri minha natureza e escrevi a minha história. Agora vejo minhas pétalas desvanecendo, enfeitando o chão, e eu nem fui colhida, nem fui beijada. Apenas sei que talvez fui amada. Mas o mais estranho é que mesmo assim nunca me senti tão plena. Acho que é porque finalmente entendi. É que por mais solidão que haja – depois que se vê a luz do Sol a gente se acostuma a ser feliz. Porém, aos poucos se vai descobrindo nossa missão na vida, nossos dons e acaba-se entendendo afinal, que para produzir bons frutos e sementes na continuidade da existência, às vezes é necessário morrer por dentro um pouquinho…

*

Enluarada

*

Se eu não te amasse tanto assim, talvez não visse flores por onde eu vim…dentro do meu coração – Se eu não te amasse tanto assim – Ivete Sangalo.

Lembranças ao vento.

Folhas balançam ao vento e quando me dou conta você está aqui vivo em meu pensamento. Fico observando as árvores, o vento sussurrando entre as folhas que chacoalham como se estivessem rindo com cócegas, ou coisa assim.

Eu me pego perdida em pensamentos, em como tua presença radiante iluminaria minha vida, em como seria provar o gosto de teus lábios – esses que tanto desejo encostados nos meus – como seria refletir-me no espelho de teus olhos, prender-me nesse mel do teu doce e profundo olhar.

Respiraria o ar ao teu redor, sentindo teu cheiro penetrar em minha alma, provaria do néctar dos teus carinhos, me entregaria a plena calma, mesmo ofegando intensa ao desejar o teu amor. Mas estou aqui, apenas sonhando com tudo isso que se passa como um filme em minha mente, enquanto as folhas dessas árvores dançam, enquanto algumas aves nelas brincam.

O vento parou. As folhas fizeram silêncio. Parece até que resolveram prestar atenção em mim, no momento em que uma lágrima fugiu…Como se me olhassem e quisessem saber o porque.

Dessa lágrima, eu também não pude definir a razão, porque não me sinto triste. Simplesmente sinto falta das palavras de quem me faz imensamente feliz como ninguém jamais fez. Não há tristeza, porque esse amor existe em mim com uma intensidade majestosa, porém não se basta se existir apenas aqui dentro. Talvez, seja por isso a lágrima. Porque ainda me sinto metade.

Às vezes a solidão me invade como esse vento que invade as folhas das árvores, por isso em vez de sorrir, choro. Porque ainda me falta a mais bela e complementadora certeza, a mais reconfortante verdade – esse amor que me prende fiel aos meus sentimentos, que dentro de mim já é.

Ei! As folhas voltaram a gargalhar. Vou continuar aqui nessa tarde suavemente ensolarada, assistindo o espetáculo da paisagem e lembrando de você. Quem sabe esse vento que brinca com as folhas me ouça e resolva fazer viagem, levando minha lembrança ao teu pensamento, meus beijos ao teu encontro, meu acalentar ao teu coração, deixando um pouquinho de mim em ti. Apenas  para recordar-te de que se  ainda  me restam sorrisos,  é por causa tua.

*

Enluarada

*

Finalmente veio um pássaro voando,

Pela primeira vez fora do ninho

Você é a canção das suas asas

Você é a melodia que ele canta

Eu literalmente apreciava a paisagem, ao som de Nikka Costa – Midnight – que tocava em meu mp3…Então, decidi deixar aqui essa melodia.

Mosaico de palavras.

Estou sozinha, em meu quarto escuro,

olhos fechados, buscando consolo em lembranças,

perdida em pensamentos e planos.

Tanta coisa eu poderia e gostaria de dizer,

mas as palavras se desfazem quando tento.

Então as juntei mesmo desfeitas e moldei-as,

ansiando fazer arte com palavras despedaçadas,

quem sabe elas ainda me sirvam, e te toquem.

E foi pelo meio dos cacos de letras e sílabas tortas,

que encontrei as rimas certas e o tom das linhas,

dissolvidos em tudo o que eu desejaria expressar.

E nessa penumbra, buscando e encontrando meu eu,

que insiste em explodir em desejos e devaneios,

sua face surge desenhada entre meus versos mosaicos

e por não querer perdê-la de vista,

afogo e escondo meus sentimentos controversos.

Não quero respostas, apenas desejo que saibas,

não busco nada que vá além do que sinto.

Quero ser passagem enquanto posso ser lida,

se um dia puder ser presença, serei.

Mas dia após dia, algo me corrói por dentro,

é essa imensa necessidade de querer te fazer sorrir,

essa ansiedade por querer te ver feliz,

essa verdade de querer saber que é assim.

Arrisco viver de palavras moldadas por minha alma,

mas meu coração quer mais.

Quer luta e vitória, não a realidade transitória.

Quer te declamar ao ouvido, e sentir tua face,

não apenas ser lido ou imaginar-te.

E nessas horas em que divago, em meus olhos,

que aos poucos se abrem, reluz a vontade,

essa que sempre me invade, de ser tua por inteira,

completando minha arte escrita,

com a maior arte da vida, a eterna arte de amar…

*

Enluarada

*

Ao som de Palavras ao vento – na voz de Cássia Eller.

“Ando por aí querendo te encontrar
Em cada esquina paro em cada olhar
Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar”

Medo ou Amor?

cora

Assim como dois caminhos não podem ser seguidos ao mesmo tempo por uma única pessoa, duas escolhas sobre um mesmo tema não podem ser feitas. Aquele que vai à guerra por sentir-se cumprindo seu dever patriota, não pode, ao mesmo tempo, ficar ao lado da esposa e de sua família. Quem escolhe continuar, não pode, simultaneamente permanecer. A vida é uma constante troca de uma coisa por outra e é importante aceitar isso. Quando o caminho bifurca e o destino faz uma pergunta, qual a melhor escolha? Em qualquer espaço ou tempo, pergunte-se: “O que o amor faria?” A resposta a esta pergunta poderá tirar-lhe do ardor de diversas consequências advindas de uma escolha mal feita. O amor cabe em qualquer lugar e hora, permanecendo como a mais acertada forma de ser e fazer feliz. Qualquer outra escolha que não seja por amor, certamente será por medo. Você está se perguntando: “Medo?”. Se o medo de perder o que nem é seu se chama ciúme, o amor ao direito de simplesmente escolher estar ao lado chama-se liberdade. Se o medo de admitir que você também erra chama-se rancor, a amorosa visão de que ninguém é melhor que ninguém chama-se perdão. Se formos pensar, tudo o que não nos faz bem são medos disfarçados e tudo o que nos torna melhores e felizes é o amor. Medo de si mesmo é não gostar-se e aí, é bom saber que você pode reinventar-se a todo momento. Amor por si mesmo é gostar-se e aí, a energia contagiante de fazer com que todos ao seu redor sintam-se atraídos por você, chama-se auto-estima. O que você tem escolhido? Na hora de viajar, por exemplo, pergunte-se: Estou deixando de ir por medo, estou indo por medo, estou ficando por amor ou estou indo por amor? E lembre-se, amor é algo que só pode existir, quando antes existe por você próprio. Ame-se mais para amar mais. Não ama, apenas acha que ama, aquele que diz que ama mas nem sabe o que é amor próprio. Medo ou amor? A escolha é sua e cada segundo de sua vida lhe perguntará isso.

Este post é uma contribuição de uma grande amiga e blogueira, a RayFarfallablu que tem um talento inestimável. É um texto de Victor Chaves, (sim da dupla Victor e Léo) muito interessante e inspirador.