Arquivo de Tag | distância

No limite do horizonte.

 

amor

Cheguei em meu destino, cansada, na verdade sem nenhum propósito, apenas vim até aqui por uma questão de reviver uma névoa do passado. Larguei minhas malas num canto e após despir-me de minhas roupas e de meus anseios, deixei a água quente do banho fluir por meu corpo como um rio percorre um leito de areia clara.

O tempo aqui passa por mim como se fosse uma viajem sem retorno, nem paisagem, e meus sentidos são guiados por meu coração que se tornou meu guia absoluto, dia e noite.

Nem percebi a noite passar, de tanto que meus pensamentos me distraiam, eram como filmes repetidos, passando vez após vez. Esperei a manhã bem vinda chegar e me dirigi até onde jamais eu deveria ir. Entre batidas intensas e atordoantes, e calmarias reconfortantes, meu coração se alternava na esperança de satisfazer a curiosidade de meu desejo ilusório, de meu ego apaixonado pelo lúdico, inacessível e profano.

E lá estava ele, após o último toque da tarde sombria e invernal, que vinha de mãos dadas com o vento sulino. Os passos pesavam sobre a calçada molhada, o jeito familiar despertava a vontade da proximidade. Os olhos confusos, que fizeram parte de meus sonhos, cintilavam num entardecer de quase lua, mas ainda sol. Aproximei-me as escondidas, mas foi em vão tentar sentir o perfume, o receio, as lembranças e o vento desfavorável não me permitiram sentir seu aroma. Foi a sensação mais suavemente arrebatadora que poderia se provar, a certeza de que só a distância faria desse sentimento algo assim tão belo, nem mais, nem menos.

Uma lágrima escorreu gelada, percorreu minha face formando um caminho e caindo no precipício aos meus pés.

Sim, era ele.

O chão, o céu, meu universo particular e interior.

Era ele,

A chave, a saída, o final do labirinto.

Apenas ele,

a mentira mais verdadeira, a falta mais completa,

Ele,

o beijo sonhado, mais doce, intenso, sentimento infinito.

Passou por mim tão perto, distante. Passou por minhas ilusões em forma de brisa faceira, fugitiva. Eu furtei um momento a dois sem que ele soubesse.

Eu fui até o limite do horizonte, mas não pude ir mais adiante.

A vida separa a noite do dia. Eu sou noite, onde apenas sonhos são reais. Apenas posso olhar à distância com os olhos do sentimento, da ficção.

A maior paixão de minha vida, eu vivi apenas dentro de mim, olhando através das estrelas, dos poemas, do crepúsculo.

Retornei e então refiz minhas malas, rumo ao aconchego, caí nos braços da realidade rotineira – incompletamente feliz.

*

Enluarada

*

Identidade.

Tento me focar no espelho mas há uma imagem distorcida. Tento evocar meu ego, mas me pego perdida entre o que realmente desejo e o que a vida me confere em realidade. Sinto um torpor dolorido no peito, nas pernas, nas mãos e em vão tento me reanimar.
O que eu realmente quero? Céus, só mais um pouco de alento pra esse coração perdido de Lua sem Sol…

Um brilho prateado cai de meus olhos
e há uma dor fincada em meu peito
a força do desejo está trançada em meu luar
segurando os pedaços de meu coração,
mas só ouço desculpas e letras de canção

Há um refúgio sequer?
Há um deleite aonde chovem perdas,
há um refrigério aonde acaloram-se danos?
Encontro a mim mesma, mas sem respostas.

Bate à porta minha identidade ferida,
meu ego despetalado em busca de saída.
A noite é sem sentido quando os sonhos fogem
e as estrelas são meu pranto refletido.

Já quis ser ave, astro e nuvem,
almejei o rumo do vento e a voz da brisa,
almejei a distância e amei,
amei mais do que pensei que fosse possível,
em letras, em ilusões, em versos.

Amei em gritos da alma, em pecado,
em virtudes e em inocência,
jurei aos segundos minha paciência,
perdi meu caminho no retorno…

Agora o abandono…
abandono por mim mesma de meu reflexo,
as dúvidas e um destino sem nexo,
e a incompreensão de quem não tem poesia.

Que me diz poesia?
Quem sou agora enquanto meu ser chora,
por qual vão gotejarei enquanto meu íntimo implora
por respostas no clarear de meu dia?

É como um punhal me atravessando,
uma dor que por sinal já senti outras vezes,
há não muitos meses quando me senti em desamor,
conheço bem essa dor.

Manhã tardia, vida em neblina,
e saudade e mais saudade…
…do que se foi e não tenho mais,
do que jamais tive e ainda anseio,
saudade e medo…

…como se fosse possível ainda andar de mãos dadas
com quem se confia um doce segredo.

*
Enluarada
*

As chamas de meu coração me cobram lembrar que quando mais precisei, quase ninguém estava lá…mas quem estava? Quase nunca, ninguém está.

“Agora está tão longe ver, a linha do horizonte me distrai…aonde está você agora, além de aqui dentro de mim?…Agimos certo sem querer, foi só o tempo que errou, vai ser difícil sem você, porque você está comigo o tempo todo e quando vejo o mar, existe algo que diz QUE A VIDA CONTINUA E SE ENTREGAR É UMA BOBAGEM, já que você não está aqui o que posso fazer é cuidadar de mim…quero ser feliz ao menos, lembrar que o plano era ficarmos bem…”

Quero sonhar…

Quero sonhar…

com o toque de tuas mãos por minha seda pele

arrepiada pelo êxtase de tua presença.

Quero sonhar…

com o passeio de teus lábios pelos vãos de meu ser

até que qual rio de delírios

desague beijos ao encontro dos meus.

Quero sonhar…

com teus olhos que trazem calma

e que com doçura afagam minha alma

enquanto me dizem em silêncio o que eu sempre soube.

Quero sonhar…

que me aqueces com teus braços

e que perdida em teu abraço possa sentir o calor

de quem minha alma tem esperado.

Quero sonhar…

com tua voz em meus ouvidos sussurrando teus gemidos,

melodiosa poesia declamada em forma de paixão.

Quero sonhar…

que estás aqui tão perto,

que inundou o meu deserto com tua presença,

oásis onde descanso o meu querer.

Quero sonhar…

pois quando lhe tiro de meus sonhos,

te faço real, mesmo à distância, mesmo na ânsia de por ti viver.

Quero sonhar…

porque em meus sonhos não há limites para te amar.

*

Enluarada

*

Meus sonhos são apenas lembranças do que ainda não aconteceu…mas que está dentro de mim.

Tatiana Monteiro em poucas palavras…

Porque nunca haverá palavras suficientes para descrever pessoas maravilhosas…

Assistindo um filme segunda-feira, a seguinte frase me chamou a atenção:  “Nossas digitais não se apagam das vidas em que tocamos”

Lembrei-me dessa frase ao receber a triste notícia da perda de nossa querida amiga Tatiana Monteiro. Lembrei-me, porque embora eu a tivesse conhecido pouco, foi o suficiente para que ela marcasse em minha vida. O pouco que eu convivi com ela virtualmente, me fez admirá-la muito. Eu acredito que amizades virtuais são tão reais quanto as que temos pessoalmente, ou muitas vezes acabam se tornando laços tão fortes que transcendem ao que se classifica como virtual ou real. Claro, eu gostaria muito de poder ter tido mais tempo para desfrutar desse contato gostoso e edificante que era a amizade com a Tati, uma menina agradável, prestativa, humilde, inteligente, sensível, alegre e solidária. O que mais me chamou a atenção nela é que ela dividia o pão com todos. Não guardava nem retinha o que era bom só para ela. E dividia seus nobres sentimentos também. Me identifiquei muito com o jeito dinâmico e direto dela. Seu sorriso nas fotos iluminava, e seu coração tinha um infinito amor. Com tudo isso ela tinha o dom de tocar a vida das pessoas que cruzavam seu caminho, mesmo que num breve momento. E com certeza ela ainda tocará a vida de muitos mais. Sim, porque Tatiana tocava nossas vidas com as palavras. E essas impressões jamais se apagam. Suas palavras permanecem aí escritas para que continuem nos tocando. São seu legado.  Seu sentimento eternizado e documentado. Suas impressões digitais, provando quão valiosa foi sua estadia entre nós.

Tatiana, nós te amamos!!!

Nesse espaço, colocarei um texto que me fascinou e comoveu, um dos mais lindos dela em minha opinião. A impressão digital dela em meu blog.

Distância

Tati, Cadê você que estando longe ao mesmo tempo está aqui tão dentro de nós?

***************

Para gostarmos de alguém

Abrimos mão de uma parte de nossa individualidade

E vice-versa…

As individualidades são imiscíveis,

Não se misturam,

Dão origem ao estranhamento dos corpos

E à ruptura dos poros.

Adentram-se no corpo um do outro

E buscam respostas para inaudíveis batidas.

Quando vem a estranheza

Levam em consideração o conceito de matéria:

Dois corpos não ocupam o mesmo lugar

E num tiro espontâneo partem para lados opostos.

Ah, distância…

Conte para ela que mesmo nós sendo imiscíveis por fora

Temos o sentimento mais indissoluvelmente indivisível por dentro: o amor…

*

Por nossa eterna Tatiana Monteiro, em um texto que nos diz muito sobre sua linda alma repleta de amor e poesia.

*

Sempre deixo uma música no fim de meus posts e nessa homenagem, não poderia ser diferente. Tenho certeza que alegre como ela era, ela iria amar ouvir novamente essa música que compartilhamos via Twitter. Deixo aqui o link do vídeo de Stereo Love. Como ela disse, essa música é poesia pura, em sua tradução.

Tati, Girassóis para você!!!

Te amo…simples assim.

Eu te amo mesmo assim im(possível),  in(acessível)…pois tudo é realidade em meu coração.

Te amo  em linhas, rimas, te amo em semente e grão que planto e rego à espera de que brote no solo de teu coração.

Te amo  em meus momentos de loucura quando pareço inconsequente, quando agito as marés com minha força de Lua em fases.

Te amo nos dias ensolarados onde meu sorrir ilumina, e nos nublados quando o abraço se faz necessário para aquecer.

Te amo quando levanto meus olhos às estrelas e tenho a certeza que de onde elas estão, elas podem te ver, mas eu não.

Te amo pelo que vi, pelo que senti, pelo que ouvi. E amo ainda mais pelo que desejo desvendar no momento do encontro de nossos olhares.

Te amo nos meus sonhos, onde posso então beijar-te, te amo entre lençóis onde a saudade me consola, pois me lembra que existes dentro de mim.

Te amo na loucura, e mais ainda na lucidez, te amo mesmo enquanto me respaldo em um talvez.

Te amo pelo tempo, pelo céu e pelo chão, te amo pela vida, te amo sem medida.

Te amo até mesmo quando penso que não te amo, porque quando penso que não te amo dói. E então desisto da dor.

Te amo, mas tanto, que se não me amares,  saberei que se assim for feliz é o que realmente importa. Te amo livre, gaivota.

Te amo em desbravo do meu coração, que em alarde implora percorrer este chão, chegar bem perto sem que percebas, apenas olhar-te já me extasiaria.

Saber ao certo o tom de tua pele, o nuance da cor de tua íris, o formato de teus lábios e como  sorri.

Tentaria sentir teu cheiro de longe, imaginaria teu gosto em meu paladar, não cansaria de te olhar…apenas olhar.

Te amo mesmo sem tocar-te , porque não te ter não é empecilho para amar-te. Porque é assim que te sinto, nas palavras perdidas em mim.

Te amo nas vezes que duvido e então volto atrás, porque não quero acreditar que não me queiras nem um pouco, meu coração se recusa.

Te amo além da distância e do tempo, além da força das circunstâncias,  além de tudo o que é princípio, de tudo o que é fim.

E como Lua que sou, me contento com tua luz de Sol distante, que raia em meus dias nublados por vezes me salvando da escuridão.

Ver-te sorrindo seria a mim, o mais belo vislumbre do mais belo pôr do Sol. Se olhasses em minha direção, me sentiria iluminada, aquecida.

Porque te amo sem direção e sem dimensão. Te amo em quimera, te amo em espera.

Te amo infinito, quando entendo e acredito, te amo porque és como és, te amo quando lembro e quando me esqueço também.

Te amo enquanto as palavras não são suficientes, te amo com esperança abrangente, ontem, hoje e eternamente.

*

Enluarada

*

Quando minha vida parecia errada, você conquistou o meu amor…eu estarei aqui, enquanto houver esperança, eu só queria estar perto de você esta noite, contudo estarei procurando por você, mesmo que você esteja em algum outro lugar, meu amor irá como um pássaro em seu caminho de volta para casa… só quero que você saiba que eu posso esperar eternamente, se você quiser, eu sei que vale a pena isso tudo... I can wait forever – Air Supply