Arquivo de Tag | boca

Navegue-me.

beijo_erotico_G

O ar me falta, a sanidade não volta. Entorpecida de desejo estou, preciso de teu amor expresso em toques, voz e presença. A ilusão de teu olhar me envolve e te degusto em devaneios e alucinações.

Teu sabor é marcante, teu perfume inebriante, teu toque me eriça, teu calor me atiça.

Desliza por meu corpo como se viaja pelo mar, navega-me nau de meu querer, e se entregue ao que sinto de mais intenso. Entre braços e pernas sirvo-te, sorvo-te e entre o que me perco, procuro-te.

De olhos fechados os sentidos do mais e mais, sinta! São meus lábios a caça dos teus percorrendo-te todo em atalhos e delongas, em detalhes e curvas. Passeio suavemente como ave a flutuar e então me atiro em frenesi como faminta a te devorar. Dissolvo teus instintos em meu nu, em meu despejar de delírios. Morda-me como quem possui, possua como quem não tem pressa, quando o tempo cessa, hei de querer-te mais.

Seja por mim e eu por ti, se minha língua não disser é porque está perdida em teu céu e as palavras são mais ofegadas do que ditas. Cada curva, cada poro, cada centímetro meu, quero no corpo teu e cada segundo quero ver-te ir e vir, como numa melodia, dançando dentro de mim, me segurando junto a ti nessa mescla de sensações inexplicavelmente extasiantes .

Beba em minha boca, sou tua fonte, busque-se em meus olhos, espelhe-se em quem te ama, desmanche-se no depois. Pois sou colo que sacia enquanto tu és paixão que vicia. Olha – percorra-me com o olhar também, ilumina-me antes de se fazer meia luz, perceba o que te seduz, seja meu leito, em ti me deito. És minha noite onde clareio o meu luar, sou lume aceso, minha chama arde quando teu corpo me invade e sinto teu peso na confirmação de que pulsas enquanto em mim.

Sim, sussurre seus gemidos, leia meus sentidos, tuas mãos podem rondar-me onde sei que queres ir. Então vá, ao menos por essa noite seja o que me faz ter a certeza desse amar, navegue-me como em um mar, e se conseguires voltar – fique à deriva nessa atmosfera que nos envolve, pois perder-se assim é encontrar-se em mim. Só teus lábios agora, apenas teus lábios molhados nos meus…descansando os beijos, ancorando tua lembrança no cais do meu coração.

*

Enluarada

*

“Eu te amo mais a cada respiração, Verdadeira, louca e intensamente…” – Savage Garden – Truly Madly Deeply

Queria-te.

Hoje acordei poesia calma,

Lembrando flores e respirando a brisa.

Queria-te brisa,

Dentro de mim fazendo amor.

Queria-te vento,

Soprando e enroscando em meus cabelos.

Queria-te aqui,

Perdido de leve em meu olhar.

Hoje amanheci melodia suave,

Recordando que sou essência de puro sentimento.

Queria-te música,

Aos meus ouvidos sussurrando teu som.

Queria-te toque,

Se espalhando por mim com teu dom.

Queria-te livre,

Viajando nas constelações do meu existir.

Hoje surgi no dia coração liberto,

Sabendo que não sou mais deserto.

Queria-te perto,

Me fazendo sentir teus lábios.

Queria-te prova,

Para não me arrepender depois de ter certeza.

Queria-te sonho,

Para te ter mais nas noites.

Hoje raiei conformada esperança,

Menina e mulher de alma que sabe amar.

Queria-te real,

Quando um dia saberei o que é a verdade.

Queria-te ao meu redor,

Para aproveitar-te intensamente.

Queria-te agora,

Mas sei que agora é cedo.

Hoje ressurgi compreensão,

Sou pássaro e flor, sou um coração sem dono,

A força do amor que um dia será,

Quando na verdade em mim já é.

Queria-te no tempo, no infinito…

como te quis ontem, hoje e sempre.

Queria-te.

*

Enluarada

*

“…e quanto mais eu sinto falta de você, mais vocês está no centro de meus pensamentos…com tua voz a alegria dentro de mim faz moradia, …eu te vejo em outros olhos, eu te procuro quando você não está lá, em meus lábios eu sinto a vontade que eu tenho de você…se olhar no céu eu sinto que você sempre estará inapagável enfim…inapagável você é em minhas respirações, em meus dias…inapagável em mim.”

Incancelabille – Laura Pausini.

Leitura íntima.

dddd

O fogo dança na lareira, lento, quase ao ritmo da canção que toca. É inevitável, o calor que emana me faz sentir tua presença me invadindo e a vontade de ti já não pode mais ser contida. Meu olhar, sob o efeito das cores que o flamejar das labaredas mesclam aos contornos de teu corpo, fita o que em sonhos eternizados almejei dia após dia.

Minhas mãos, aquecidas pelas chamas intensas de meu amor se perdem, cativas na vontade de deslizarem por cada centímetro teu. Com elas, faço a leitura mais perfeita dos contornos mais recônditos de teu corpo delirante. Leio teus olhos fechados com as pontas de meus dedos que intensos percorrem tua face, alcançam teus lábios. Leio teu desejo em tua superfície eriçada em arrepios, meu tato provocando calafrios, desvendando o percurso que me guia a teu prazer.

Leio quando te encantas, quando sentes, quando vibras e guiada por teus sentidos atiçados, o deslizar de mim por ti funde-nos em uma mistura de carícias e fome, anseios e sede, saciados nessa troca de contato. Meu tato te lê ávido ao tocar-te cada vez mais intimamente e muito mais profundamente despertar em sensações essa atmosfera viva e intensa.

Toques que se transformam em abraços, braços que se percorrem, corpos que se procuram, lábios que se misturam. Bocas que se encontram, que se perdem de si em busca de mais  e retornam na saudade do beijar. E teu olhar…me reflete em sentimentos, em reprise do momento, momento indefinível, abstrato – esse do amar – do queimar sem doer, do consumir-se sem perder.

Ao dominar-me nesse leito de paixão,ao tomar-me por inteira e adentrar-se em mim, faz-me conhecer as sensações mais absurdamente intensas, insanas. E na leitura que fazemos de nossos desejos, extinguimos qualquer mistério, unimos nossos hemisférios, exalamos êxtase, explodimos em emoções. Eu e você, sentindo-nos, lendo-nos, no mais extremo sensitivo literário dos amantes.

*

 

Enluarada

 

*

Meu corpo te pede, minha alma te chama de tal forma que se faz em mim o anseio de que abras as portas dos meus sentimentos e entre  no recinto de meu ser, penetrando intensamente em minha vida e fazendo-me viver o mais ardente  de todos os amores…

 

Ao som de Ronan Keating – When you say nothing at all

Beijo, fusão de desejos.

Seria muito pedir-lhe um beijo? Apenas queria um beijo, a chance de começar. Pois podendo teus lábios tocar, teria como lhe mostrar o quanto podes ter a mais, o quanto podes gostar. Afeto é apenas o início, palavras são pétalas espalhadas pelo vento, perfumando meu corpo que arde em esperança. Um corpo ousado, curvilíneo, desenhado para receber o toque de tuas mãos, sim as tuas, as duas. Conceda-me um beijo, para atiçar-lhe o desejo, esse que sei que já tens, pronto a extravasar.

Feche os olhos então e sinta o beijo, que voa qual ave, lábios vermelhos meus, que sussurram palavras de amor e doçura, enquanto lhe acariciam percorrendo por teu corpo, devagar.

Faria pedir-me mais, a começar por meus beijos. Deixar-te-ia insano, possuído de desejo. Apenas diga, sim, eu quero, eu espero, e estarei disposta a percorrer o infinito para lhe encontrar. Encontrar-lhe nessa imensidão do toque, da pele, de meu rosto a encontrar o teu, de meu gosto em ti, Lua nua a seu paladar.

Quero-te perdido em loucuras, e ao mesmo tempo lúcido, a meus lábios degustar, após minha língua tecer um passeio por teu peito, seguindo seu destino ao encontro da tua, viajando por teu céu, deslizando por teu gosto. Lembras de meu rosto? Do olhar com que a ti suplico, do sorriso que a ti dedico, dos contornos de minha face, que pelo pescoço descem, revelando meu colo e meus seios que aguardam por teus carinhos e pelo calor de tua boca?

Só um beijo e eu te levo a delirar, até que insistas em encontrar em mim o que lhe incite mais prazer, até que anseies me levar a loucura também, enquanto se delicia com a profunda carícia que desejarás em mim fazer. Ouvirás o canto dos gemidos meus, a teu nome declamar em pedidos melódicos que não pare de me amar. Carícias sentirá, quando eu não puder mais me comedir, e quando meu íntimo desejar o que é teu, terás meus lábios em ti, explorando , tocando, beijando, o calor de minha língua por ti deslizando, meus dentes, de leve a morder…

E regressarei ardente, ao mar profundo de teu olhar que suplicará em silêncio por mais beijos. Os terá, junto com meu cheiro, que marcante em ti ficará. Desejarás se perder e se enroscar em meus cabelos, manto de seda pura, e eu com ternura buscarei cada detalhe teu da forma que me incentivares, tanto quanto pedires, e em paixão me possuirás.

E quando tudo for o exílio de pensamentos, me jogarei em teu corpo, nos fundiremos ofegantes, abraçados, colados e inseparáveis, tu dentro de mim, eu presa a ti, nessa ânsia de o êxtase alcançar, no momento sublime do amar, sim, nessa fusão do desejo, que começará com o beijo, que um dia me concederás.

*

Enluarada

*

Devaneios e delírios ao som romântico de Def Leppard – Love Bites. Porque eu lhe beijaria, eu lhe morderia. De amor me perderia. Sempre.

Delícia

MO%C3%87A%20DE%20ROSA%20CORRENDO%20NA%20PRAIA

Hoje me senti deliciosamente inspirada. Cheguei em casa e resolvi escrever. Mas parei por um momento e pensei: qual o significado definido por um dicionário para a palavra delícia? Encontrei um dicionário, abri na palavra Delícia e procurei os sinônimos: Prazer intenso. Sensação agradável ou deleitosa. Encanto, gozo, deleite.

Mas claro, como de praxe, não fiquei satisfeita. Minha delícia é bem melhor. Minha delícia é muito mais. Então eis a minha definição:

Delícia é correr de encontro ao vento

Descalça na areia irradiando sentimento

Delícia é ter no coração mais que por um momento

O fulgor da existência de um grande contentamento

***

Delícia é erguer a face na chuva a cair

Deixar a água fria na pele deslizar

Delícia é sentir o corpo arrepiar

É sentir leveza ao pensar no que há de vir

***

Delícia é com mel lambuzar

Essa boca que um dia vais beijar

Delícia é o doce do sonhar

O sonho de colorir o amar

***

Delícia é com as mãos um arco-íris pintar

Com o pensamento ao céu subir e viajar

De lá de cima ver o mar e mergulhar

O frio no estômago sentir e gritar

***

Delícia é a cor dos seus olhos meigos

O toque suave de seus afagos

Até a saudade é delícia nos âmagos

De uma paixão explodindo em luz quais fogos

***

Delícia é essa lembrança que criei

Onde já me perdi e me encontrei

Espaço cheio de estrelas onde me enxerguei

É descansar nos braços de quem amei

***

Delícia são delírios em meio a sussurros

Encontrar luz na vida em momentos escuros

Delícia é poder falar de amor, de sentimentos puros

É quebrar barreiras, derrubar os muros

***

Delícia é sentir-se encontrada por um coração poeta

Que de longa distância transpõe a tormenta

É poder acreditar que tenho a resposta

E que o amor é a verdade que importa

***

Delícia é sentir o perfume das flores

Como se fosse a primeira vez que sentisses

A descoberta de grandes e pequenas coisas

De sensações, sentidos e prazeres

***

Delícia é poder ver de olhos fechados

Saber que se nessa vida nos perdemos

De alguma forma acabamos encontrados

E ninguém nos tira o direito de sermos amados

***

Delícia é conversa boa, falar a verdade

Delícia é a imensidão da liberdade

Sentir que existe a plenitude

Mesmo quando surgem coisas que não se entende

***

Delícia é o cantar de pássaros, musica do coração

O dom de ouvir e de compor uma canção

A melodia do vento ao soprar a plantação

Delícia é o perfume da rosa em botão

***

Delícia é correr pular e rodopiar

O cheiro da dama da noite no ar

Delícia é a lembrança do tempo a passar

Das coisas boas que o amor faz lembrar

***

Delícia tem cheiro, tem forma e tem cor

É mais que deleite e prazer encantador

Delícia é a junção de tudo que intenso for

E não há maior delícia  que viver um grande e verdadeiro amor.

*

Enluarada

*

Ao som inspirador  de Paula Fernandes  – Meu eu em vocêPássaro de Fogo; Canções do vento Sul.