Universos transbordantes.

amor-bajo-el-agua

Quando seus lábios fartos me tocaram pela primeira vez, senti como se uma chama ardesse em minha clara pele, e por onde passava, era como se um raiar de sol percorresse a areia fria da manhã, como quando o amanhecer surge beijando o corpo do mar desde os pés do horizonte, até a boca nas ondas que se desmancham, entregues ao seu calor.

Me despi em seus braços, desnudei sonho por sonho, desejo por desejo, anseio por anseio.

Havia noite clara em minha superfície, lua cheia que eu era, superfície que ardia a cada toque dos dedos, a cada intensidade do beijo, a cada respiração profundamente ofegante.

Corpos trêmulos, tímidos, alvejados pelo êxtase do deslizar das mãos – pernas, costas, seios nuca, – e meus cabelos cativos em suas vigorosas mãos, dançando entre seus dedos enquanto pesavas sobre mim.

Ousei brincar com carícias em seu peito, enquanto o perfume da curvatura de seu pescoço me remetia aos jardins do doce prazer. E na ardência dos beijos, que se perdiam e se reencontravam, que de entre os lábios fugiam para outros hemisférios, mordi de leve tuas costas macias, percorri com vigor do início de tua face até o final de teu ombro, no intuito de arrancar-te gemidos, ofegâncias e delírios.

Encontrei teu prazer. No âmago teu, toquei e segurei com uma delicada firmeza, senti o pulsar desejoso de estar dentro de mim.

E os lábios se ardiam, entregues, mistos, os olhares se encontravam e se perdiam, só para se procurarem novamente.

E no momento do pertencer, deslizei-te para dentro de mim, vagarosamente como quem abre as pétalas de uma flor, até te sentir por inteiro, mergulhado em mim como o sol do crepúsculo mergulha em seu poente.

Te fiz oceano – imenso, jorrando vida, enquanto eu aturdida, sentia meu gozo misturado ao teu, indo e vindo, como as ondas, ora suaves deslizando ao raso, ora profundas, quebrando na turbulência do derradeiro escoar do êxtase.

E assim, se fez o amor. E assim, se fez a entrega. Em minha mente, você, simplesmente único. Em teu corpo eu, docemente cálida.

Era chama, raiar de sol, areia, mar, horizontes, infinitos, universos transbordantes que cabiam apenas ali, em nós.

*

Sih

*

Não sou dada a esquecer detalhes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s