Meu silêncio do agora.

Não quero mais falar de dor,

nem quero mais falar de amor,

por enquanto,

só o silêncio do agora.

Não quero mais saber de tempo,

nem sentir que há espera,

tudo é quimera

e minha alma implora

arrego, sossego.

Frio, escuro, vazio,

cinza, seco e febril,

faz-se a geada e noutro dia

a relva de mim queima no gelo.

Não me importo mais.

Se me fecho, e os olhos também,

é porque sou refém

de sentimentos por mim criados.

Sou aquela menina

com a flor na mão,

chorando porque murchou.

Será um dia riso,

do outro dia nem preciso.

Só quero agora escutar de longe

sussurros do nada,

ter minha alma lavada,

despida e banhada

da culpa, do pranto, de tanto…

de tanto saber que a saudade,

me invade,  invade e invade,

mesmo antes de ser,

mesmo antes de amanhecer.

São vãos por onde escorro,

o chão onde me sento,

onde me contradigo, onde aguardo.

Palavras nesse vácuo onde quero,

onde sei, onde pensei, onde hei

de reencontrar-me.

Quem sabe.

*

Enluarada

*

Eu quero escutar meu silêncio. Quero respirar o ar das minhas palavras que me escoram nesses segundos que me singem de inércia. Nada posso fazer, só deixar o tempo escorrer.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Meu silêncio do agora.

  1. olha disse tudo poeticamente como sempre, ha um pedido de pausa, te de isso, com carinho, sem repressão, de ofereça isso sem ilusão, te proporcione isso sem desilusão.
    Apenas te ame nesse momento e conte comigo.
    beijos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s